Alerta Bahia
Plantão Alerta Bahia

Profissionais afirmam que não houve negligência no hospital de Malhada, veja o relato da família

Foto: Reprodução Facebook

O site Alerta Bahia recebeu nessa sexta-feira dia 12 de janeiro recebeu uma denúncia vindo de Margarida Rodrigues dos Santos, mãe de uma menor de iniciais (J.S.L) de 17 anos, onde segundo ela, a filha foi vítima de negligência no Hospital Municipal São Geraldo em Malhada sudoeste baiano durante o parto de seu primeiro filho.

Versão da Família

Segundo Margarida, sua filha deu entrada no hospital municipal as 15h00min de quarta-feira dia 10 de janeiro com fortes dores (contrações), e foi atendida pela médica Dr. Rosilene Barbosa Do Carmo, que teria sugerido para a mãe retornar com a filha para casa, pois ainda não estava na hora da criança nascer. A mãe disse que não podia voltar para casa por motivo de morar longe do hospital e ficou em um leito da unidade em observação.
Quando ficou no leito, até um certo momento sempre os enfermeiros iam aferir a pressão da (J.S.L) que permanecia sentindo dores, porém a pressão arterial continuava normal, a resposta dos profissionais da saúde era sempre a mesma “está tudo certo, é assim mesmo no primeiro parto”.

Por volta das 22h00min as dores de J.S.L aumentaram e a filha chorava de dor, quando a mãe desesperou indo traz dos profissionais que já estavam todos dormindo; enfermeiros, médicos até o porteiro. A mãe acordou o porteiro e perguntou pelos enfermeiros, ele respondeu em tom grosseiro, mais a indicou qual a sala que um enfermeiro estava dormindo. Esse enfermeiro localizado pela mãe foi até o leito e novamente aferiu a pressão, e disse para da próxima vez chamar o outro enfermeiro em outra porta.
A mãe narrou que chegou certo momento que a filha dizia não mais suportar tanta dor, logo depois começou a sentir convulsões, e novamente todos dormindo.
A mãe disse ter entrado em contato com o restante da família que chegaram, e somente 04h00min do dia seguinte que a menor (J.S.L) foi transferida para o (HRG) – Hospital Regional de Guanambi, sendo atendida, passando pela cirurgia de retirada do feto e constatado que o mesmo já estava sem vida.

A nossa reportagem perguntou a denunciante como ocorreu o pré-natal da gestante, qual o médico e se estava tudo bem para um parto normal. Em resposta, Margarida disse que foi realizado pela dita médica e que tinha sido tudo normal, indicando ser um parto natural.

” Estou aqui cobrando é para que isso não aconteça com outra pessoa, não culpo a prefeitura, culpo o atendimento do hospital por conta dos funcionários” disse.

Versão do Hospital

Segundo o hospital não ouve negligência em momento algum, e sim a vaga para a paciente que infelizmente demorou a ser disponibilizada. Diante dos relatórios do sistema do hospital, a médica realizou a “regulação” (Pedido de Transferência da Paciente) as 19h02min, a central respondeu que estava em captação de vaga, ou seja, não havia vaga, então a médica voltou a solicitar as 20h54min, novamente a vaga não estava disponível, sendo conseguida a vaga somente 03h30min, sendo a paciente encaminhada imediatamente para o HRG, sendo acompanhada pela médica e uma enfermeira. Ao chegar no HRG foi feito a cirurgia para a retirada do feto que já não apresentava sinais de vida.

“Nós a recebemos, fomos no leito aferir sua pressão constantemente, atendíamos a todos os chamados da mãe, porém até as 19h00min os sintomas dela eram normais de um primeiro parto, todo primeiro parto é normal sangramento e dor. A partir do momento em que a médica viu que começou a mudar e saiu da normalidade, fugindo do alcance do clínico, foi feito a regulação, pedimos por e-mail, por telefone e não descansamos até conseguimos, só que demorou de achar a vaga, e o hospital não pode mandar um paciente sem ter vaga para ele ser mandado de volta”, disse a diretoria.

Averiguação

A redação do site entrou em contato com a “Central de Regulação em Vitória da Conquista” para conferir que os dados passados pelo hospital de Malhada eram iguais aos contidos no sistema da central. Ao ser questionado o atendente confirmou que o hospital de Malhada contatou a central as 19h02min e também as 20h54min solicitando a vaga para a paciente. Também esclareceu que os relatórios gerados pelos hospitais são enviados do sistema da central, sendo assim verídicos.

Versão da Médica

A médica que atendeu a paciente citada a no caso, Dra. Rosilene Barbosa do Carmo,  relatou que a paciente deu entrada por volta de 16h30minutos, momento que foi chamada para avaliar a paciente. No pré-parto, J.S.L apresentava contrações com queixa de dor pélvica e perda de sangue. Segundo ela, a paciente foi examinada, apresentando pressão arterial normal, feto em posição cefálica, dorso à direita e batimentos fetais normais. Ao toque do colo uterino havia 2 centímetros dilatado e sangue na luva, evolução natural para ocorrência de um parto normal. A médica confirmou ter dito para mãe que na primeira avaliação estava tudo evoluindo para um parto normal. Explicando que as contrações estavam espaçadas e o colo do útero pouco dilatado, e como era o primeiro filho da gestante, certamente o parto iria demorar a acontecer.

A Dra. Confirmou que a gestante foi avaliada todo o tempo por ela e pela equipe de enfermagem, assim que viu a necessidade de transferir a gestante para o especialista, ela realizou a regulação via central de leito por volta das 19h02min. Por volta das 20h54min realizou uma nova evolução da gestante na central de leitos. Quando o caso agravou com apresentação de um quadro convulsivo, a médica iniciou a infusão de medicamentos adequado para o caso e monitorização da mesma. Não hesitou em acompanhar a transferência da paciente para o HRG, com o objetivo de garantir um aporte adequado de oxigênio para a gestante e o feto, tentando minimizar o sofrimento fetal e danos cerebrais para a mãe. Ainda segundo a médica e o hospital, o que houve foi uma convulsão atípica inesperada, uma vez que a gestante estava evoluindo o tempo todo com pressão arterial entre 140x 80 (mmhg) à 160 x 90 (mmhg) e batimentos fetais entre 140 a 148 (bpm). Infelizmente não havia vaga no HRG nos momentos solicitados, e mesmo no momento de gravidade e risco de vida, também não havia vaga, e quando o quadro da paciente agravou ainda mais foi solicitado novamente a transferência, dai 03h30min foi liberada vaga zero.

“A única forma de parar as convulsões neste caso é retirando a placenta, eu sou clínica, neste caso somente um obstetra em um centro cirúrgico pode fazer isso, disse.

“Não poderia ser feito nada a mais que isso, ela apresentou convulsões que são atípicas. Mesmo depois que foram retirados feto e a placenta ela manteve convulsão, até agora não se sabe o que aconteceu, poderia ter acontecido em qualquer lugar”, disse.

A nossa reportagem também questionou a profissional como foi o desenvolvimento do pré-natal da paciente, e se não tinha sido detectado algum problema na gravidez da menor, já que ela participou do acompanhamento.

“O pré-natal foi feito por mim e pela enfermeira do (PSF), eu examinei ela duas vezes, mais estava tudo bem com A gestante e a criança, exames laboratoriais normais e exames de imagem normal, tudo indicando uma gestação normal sem risco”, respondeu.

O Alerta Bahia perguntou o que ocasionou a morte do feto, já que antes estava normal, com posição normal e batimentos normais. A médica respondeu: provavelmente as convulsões atípicas. Durante a crise o suprimento de oxigênio para o feto fica prejudicado, podendo ocorrer sofrimento fetal agudo e até óbito, assim como pode também causar danos para a mãe.

Averiguação

Ao dizer que caso como esse poderia acontecer em qualquer lugar, a médica relatou ao site Alerta Bahia que existia por exemplo o caso de uma malhadense que teria perdido também um filho nas mesmas condições, e teria sido no hospital de Guanambi, como foi no referido hospital e talvez por compreensão dos familiares não deu tanta repercussão.

A nossa reportagem foi averiguar se de fato isso aconteceu e localizamos a referida, que se trata de uma jovem de 21 anos de idade, identificada pelo prenome de (Jaciane) e residente na rua Ambrósio Fernandes. Entramos em contato com a jovem e perguntamos se isso teria realmente acontecido. Ela confirmou que perdeu um filho na mesma situação no hospital regional.
“Minhas pernas ficaram inchadas a pressão aumentou e a Médica Dra. Rosilene mim encaminhou Para Guanambi, chegando lá foram feitos alguns exames e mim internaram, logo depois fui liberada, quando foi no outro dia eu comecei a sentir eclampsia, as convulsões”, disse. Segundo Jaciane ela também sentiu as convulsões que começaram em sua casa e resultou também perdendo seu filho que nasceu de parto natural e já sem vida no hospital de Guanambi, confirmando o que foi dito pela médica.

Diante de informações passadas pela família, a jovem (J.S.L) continua internada no (HRG) e passa bem, apresentando melhoras em seu quadro.

De forma imparcial o site buscou todas as informações averiguando tudo que foi dito pelo hospital, médica e pela família, trazendo em texto a versão te todas as partes envolvidas; Família, hospital e a médica que realizou o atendimento.

Cabe agora a família também consultar profissionais da área para tirar suas dúvidas  avaliando o acontecido e compreendendo as limitações de um hospital.

Cabe a administração fiscalizar o hospital, os funcionários e o atendimento que lá é desenvolvido. A saúde é uma das principais obrigação da gestão, e os pacientes devem ser tratados com atenção e respeito.

 

 

Post – 13/01/2017 – 16:19 

 

Redação: Alerta Bahia

Edição: David Porto

Publicações Relacionadas

Prédio desaba em São Paulo após incêndio

David Porto

Vítor Bonfim, Cláudio Cajado, e Luciano Ribeiro Estarão em Carinhanha nessa Sexta-Feira

David Porto

Gilvan Crente e Pí do Luana participam da 6ª Mobilização Nacional de Vereadores em Brasília

David Porto
Carregando....

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Política de Privacidade

Privacidade & Política de Cookies