Alerta Bahia
Destaque Oeste Regional Sudoeste

Polícia Federal e MPF conclui operação contra fraude em Palmas de Monte Alto, Guanambi, Bom Jesus da Lapa, Sebastião Laranjeiras e outros dois municípios

Polícia em ação/Foto reprodução

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) deflagraram a Operação Backstage em seis municípios do centro-oeste baiano, na quinta-feira dia (11) de fevereiro. Na ação forma cumpridos, mandados de prisão, busca e apreensão abrangendo diversos endereços de pessoas físicas e jurídicas em Palmas de Monte Alto, Sítio do Mato, Sebastião Laranjeiras, Guanambi, Pindaí e Bom Jesus da Lapa. As medidas foram autorizadas pela Justiça a pedido do MPF, que investiga, em parceria com a PF, um esquema de fraude em licitações e desvio de recursos que aconteceram no município de Palmas de Monte Alto entre 2013 e 2016. 

As investigações do MPF – que envolvem a colaboração premiada de um ex-agente público – apuram os seguintes crimes: dispensa ilícita de licitação (art. 89 da Lei 8.666/1993), fraude licitatória (art. 90 da Lei 8.666/1993), desvio de recursos públicos (art. 1º, I, do Decreto-Lei 201/1967), peculato (art. 312 do Código Penal) e associação criminosa (art. 288 do Código Penal). 

Os dados reunidos pelas investigações apontam fraudes em ao menos 35 licitações apenas em Palmas de Monte Alto, entre 2013 e 2016, e contêm indícios de que o então prefeito do município tenha desviado recursos em esquema conhecido como “rachadinha”. A prática envolve o repasse, por um servidor público ou prestador de serviços da administração, de parte de sua remuneração a políticos e assessores. 

O MPF reuniu, ainda, indícios de que uma das empresas envolvidas nos crimes, uma construtora com sede em Sítio do Mato, e incluída entre os alvos da operação foi favorecida em ao menos 14 licitações fraudadas em três municípios da região, havendo recebido, por meio dessas contratações, cerca de R$ 7 milhões, boa parte em recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Apenas em Palmas de Monte Alto, a empresa recebeu R$ 3,2 milhões em contratos a partir de licitações possivelmente fraudadas. 

Um dos principais alvos da busca e apreensão foi um escritório de contabilidade com sede em Guanambi que, segundo o pedido feito pelo MPF à Justiça, “serviu, entre os anos de 2012 a 2016, como verdadeiro QG para agentes públicos e privados protagonistas de fraudes em procedimentos licitatórios e desvios de recursos públicos de quase uma dezena de municípios da região”, a exemplo de Botuporã, Palmas de Monte Alto, Iuiú e Riacho de Santana.  

A partir das provas reunidas pela Operação Backstage, o MPF dará continuidade às investigações e adotará as medidas judiciais cabíveis para responsabilizar os envolvidos. 

______________________________________________________________________________

Post – 12/02/2021 – 07:08

Informações: ASCOM:MPF-BA

Com edição da redação

Publicações Relacionadas

Acidente entre motocicleta e carro na ponte em Malhada; Matheus afirma que não estava pegando racha, Claudinho diz…

David Porto

Morador de Serra de João Alves zona Rural de Malhada ganha carro HB20 no Ouro Branco Cap

David Porto

Decreto da prefeitura de Feira da Mata proíbe aglomerações com mais de 06 pessoas, inclusive velórios, bares e outros eventos

David Porto
Carregando....

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Leia Mais

Privacidade & Política de Cookies